Benvindos!

Neste espaço divulgo meus trabalhos, textos e eventos.
Por gentileza, não faça cópia dos textos ou das fotos, obrigada!

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Delonix regia
Nome científico: Delonix regia Raf.
Sin.: Poinciana regia B., Delonix regia var. flavida S.
Nome popular: flamboiã, flamboyant
Família Caesalpinoideae
Origem: Madagascar

Descrição:   Árvore decídua, de grandes dimensões, altura de 10-12,0 m, com tronco largo, raízes grandes tubulares. Folhas compostas bipinadas e flores vistosas na cor  amarela, laranja ou vermelha. Floresce no verão, colorindo ruas e praças. Seu fruto é uma vagem longa e longa, achatada, que permanecem por muitos meses na árvore.

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Sacada decorada 3


Sua sacada é para o Sul e não bate sol em nenhuma época do ano? Bem, a solução são as plantas de sombra. Duas palmeiras, a Chamadorea e a Rhapis se adaptam a lugares sem sol, mas deverão receber muita luz, senão será uma tristeza vê-las definhar. Para locais mais sombrios, usar Dieffenbachia, Zamiocuca, Asplenium e samambaias que são ótimas para interiores. Se houver muito vento opte apenas por plantas de folhas firmes como cordilines (Cordyline).
Foto: Cordyline

Sacada decorada 2


Se a sacada tem orientação Norte ou Oeste terá sol praticamente o dia inteiro, poderá ter inclusive pequenas árvores frutíferas e plantas de sol. A recomendação é sobre o cuidado com o sobrepeso das plantas na sacada, pedir orientação ao profissional do empreendimento. Exemplos: romazeira (Punica granatum), azaléia anã(Rhododendron simsii 'Nana'), ixora (Ixora chinensis).Também pequenas herbáceas de estação poderão alegrar o ambiente: Petúnia, Verbena, Tajete, Gazania, Calendula.Foto: petúnia híbrida.

Sacadas decoradas


Os apartamentos com sacada gozam de um privilégio que é o de estender quase ao exterior a sua sala de visitas. A maioria fecha este espaço com vidros e faz mesmo o prolongamento da sala. Mas nossa proposta é outra: faça um jardim! O jardim de sacada é de tamanho reduzido e deve ser planejado com cuidado, mas pode ser muito bonito, agradável e acrescentar a energia das plantas ao seu modo de viver. Começar pela luz, determinada pela orientação do edifício.Verificar o Norte do prédio vai determinar a que horas o sol incide na sacada.
Se o sol aparece de manhã, ela está para leste, significa que poderá ter algumas plantas de sol, que devem também tolerar a sombra. Mas a maioria das plantas para esta sacada deverá ser de meia sombra a sombra. As plantas para esta orientação podem ser desde palmeiras de meia sombra,como a Rhapis, arbustos pequenos como dracenas (Dracaena sp.) até herbáceas perenes como Asplenium e Phylodendron. Para colocar cor no espaço poderá optar por vasos de balsaminas e bromélias.Foto: Asplenium

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

No jardim...

   A primavera se instalou no jardim, acordando as plantas. Muitas floresceram e iniciam agora seu crescimento. Verificamos então que o jardim parece muito cheio, hora de iniciar tarefas de limpeza, corte de ramos muito grandes que atrapalham o caminho, arejar os maciços. Hora de alimentar as plantas. Tarefas agradáveis, com o zumbido das abelhas e com beija-flores parecendo pendurados nas flores atrás de néctar.
Foto: Quisqualis, jasmim-da-índia, uma trepadeira belíssima.

sábado, 13 de novembro de 2010

Ochna serrulata

Ochna serrulata, o mickey-mouse. Arbusto de flores em cor de amarelo-limão que surgem na primavera, com persistente cálice que se tinge de vermelho sustentando  frutinhos pretos, disputados por sabiás e ben-te-vis. Apesar de exótica (África do Sul), sua adição é interessante para jardins sustentáveis. Não exige manutenção frequente e atrai a vida selvagem para o espaço do jardim. Além de muito bonito...

Kalanchoe blossfeldiana

Kalanchoe blossfeldiana, nome popular folha-da-fortuna, entre outras. Esta da foto é de flores dobradas. Seu contraste de laranja com o verde escuro das folhas é bem ornamental. Cultivo simples, para jardins de baixa manutenção e com característica xerófita. Necessita, claro de muito sol, florescendo continuamente a partir da primavera até o final do outono.

domingo, 7 de novembro de 2010

Palmeiras e suas flores.

 Palmeiras: algumas palmeiras, entre as quais a Phoenix roebelenii (foto à esquerda) e a Chamadorea elegans (foto à direita) são dióicas, isto é, encontramos uma planta de flores masculinas e outra de flores femininas. A de flores femininas produz frutinhos.

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

A Rosa

O nome botânico é Rosa sp., sua família é a Rosaceae e sua origem provável é a China. A roseira é um arbusto de folhas decíduas, de regiões temperadas e cultivada em toda a Terra. Na China durante a Dinastia Sheng Nung, em 2737 a 2697 a.C. as rosas já eram cultivadas nos jardins, as flores colhidas perfumavam os ambientes e eram utilizadas para fabricação de perfumes. Na Pérsia, Babilônia, Síria e na antiga Grécia a flor era símbolo de poder. No Brasil a rosa foi introduzida pelos jesuítas  nos anos de 1560 a 1570. D.Pedro I apreciava rosas e instituiu a Ordem da Rosa que era concedida a pessoas de relevantes serviços ao governo.

No livro Guia de Produção de Plantas medicinais, aromáticas e flores comestíveis estão descritos seu cultivo e como é feita a extração do seu perfume, pela técnica da enfleurage. Contato: www.cattleya.com.br

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Três-marias

Bougainvillea spectabilis, arbusto-trepadeira, Família Nyctaginaceae, nativo do Brasil. Suas flores se apresentam em conjuntos de 3, são brancas e pequenas, protegidas por  3 brácteas cada coloridas, valendo o apelido popular de três-marias. O que podemos dizer sobre este arbusto? Lindo, esplendoroso, a estrela do jardim quando florido.

Farroupilha

Justicia rizzini, nome popular farroupilha, arbusto da Família Acanthaceae, nativa do Brasil. Floresce na primavera e no outono, com suas pequenas flores que atraem borboletas e beija-flores. Excelente adição a projetos sustentáveis.

domingo, 31 de outubro de 2010

Cacto de outubro

Rhipsalidopsis, um cacto mimoso que floresce agora de outubro a novembro. Suas flores vermelhas são difíceis de fotografar devido à grande intensidade da cor. Um dos meus presentes de primavera...

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Neomárica, um toque de azul no jardim...

Neomarica, Família Iridaceae. Nativa brasileira.

 Aprecia locais com sol e produz flores de formato que lembram a íris, o ano inteiro. Encontramos também com flores brancas e azul claro. É uma planta estrutural e seu uso em projetos é bem interessante.

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Glossário de termos botânicos


Glossário
Anual - planta de ciclo de uma a duas estação. Semente, muda, floração, frutificação e semente novamente. Ex: anual de verão: zínia.
Anual de inverno - primavera, amor-perfeito.
Arbusto - planta que tem muitos caules a partir do solo, atingindo até três, três metros de altura. Deixando-se um só caule, pode tornar-se uma arvoreta, isto é, imitação de árvore. Ex: hibisco, extremosa.
Árvore - planta que tem um caule somente, lenhoso e que vai de três a trinta metros ou mais. Ex: paineira, guapuruvu.
Bordadura - fila de plantas herbáceas circundando canteiros.
 
Bráctea - folha modificada, verde ou colorida, que protege a inflorescência. Ex: antúrio, copo-de-leite.
Bulbo - caule subterrâneo capaz de emitir folhas e flores.
Bulbo tunicado -em camadas. Ex: cebola.



Capítulo - inflorescência das compostas, o calíce forma receptáculo alongado onde dezenas de pequenas flores se formam. Brácteas coloridas chamam a atenção dos insetos polinizadores. Ex: margarida, crisântemo.
Cormo - bulbocompacto. Ex: palma-de-Santa-Rita
Corola - conjunto de pétalas que forma uma flor.
Decídua - ou caduca, planta que perde suas folhas no outono,algumas mudando o verde para tons avermelhados. Ex: roseiras, extremosa, ipês
Espádice - tipo de inflorescência onde há uma bráctea verde ou colorida, como no copo-de-leite.


Espiga - tipo de inflorescência onde o ráqui do pedúnculo floreal é preenchido com pequenas flores, lembrando a espiga do milho. ex: celosia, flores de gramíneas.
Estolão - tipo de caule subterrâneo ou sobre o solo, que vai se desenvolvendo e enraizando, garantindo raízes e novas plantas. Ex: milho (gramínea invasora de jardins).
Óleo de Nim (neem) - Óleo essencial de Azadiracha indica (árvore do Nim), inseticida natural para insetos mastigadores (gafanhoto), cochonilhas e pulgões.
Panícula - Inflorescência sem uma forma rígida definida, mas com uma haste floral reunindo as flores. ex: aveia, kalanchoe, hortênsia.
Raiz - parte da planta que fica dentrodo solo ou submersa, como nas aquáticas. Pode ser:
a) pivotante, como em árvores, quando tem uma raiz profunda vertical, rodeada e raízes secundárias, terciárias, etc. Ex: guapuruvu, árvores em geral, arbustos.
b) fasciculada, quando na ausência de uma raiz principal existem milhares de raízes, prendendo a planta ao solo. Ex: gramíneas, palmeiras.
Rizoma - caule modificado, subterrâneo à superfície do solo, com reservas nutricionais. Ex: begônia rex, marantas.

Flores comestíveis

Desde tempos antigos as flores têm sido objeto de admiração por todos. A experimentação de seu gosto levou à descoberta de que algumas flores podem ser comestíveis. E como sabemos se ela pode ser usada em receitas? Primeiro, a planta não deve ser tóxica ou venenosa. Quase sempre as flores não tem alcalóides nem venenos, mas algumas contêm substâncias que podem ser perigosas se ingeridas.O pólen,
na verdade, é que é o problema. Pessoas alérgicas a pólen, podem apresentar reações sensibilizantes de pele e respiração
As flores devem ser oriundas de cultivos orgânicos, isto é, não devem ter recebido nenhum defensivo agrícola, termo técnico para veneno. Aquelas flores cultivadas em casa, onde todos os insetos passeiam (e se banqueteiam), podem ser consumidas, desde que seja obedecida a retirada do pólen.
Um dos mercados com potencial de expansão está na produção de flores para consumo humano, com comercialização para supermercados, confeitarias, restaurantes e delicatessen, a demanda poderá tornar-se crescente se houver maior divulgação e interesse dos produtores.

Para maiores informações sobre como produzir, quais as plantas poderemos utilizar, leia no livro Guia de produção para plantas medicinais, aromáticas e flores comestíveis de minha autoria.
Contato: www.cattleya.com.br

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Borboletas de flor em flor...




Borboletas em roupas, broches, no jardim, difícil ter alguém que não aprecie. Andar no jardim com as borboletas esvoaçando de flor em flor dá uma sensação de paz, alegria e bem estar. Mas onde estão as borboletas? Olhe ao seu redor. É como aquele jogo infantil onde está Wally? Elas sumiram, por conta de jardins minimalistas, todo verde, com plantas que não tem flores com néctar para elas. Foram embora em busca daqueles espaços onde seus donos apreciam suas visitas e não se importam de dividir algumas folhas de plantas com suas lagartas.
Ah,chegamos no ponto. Quem aprecia lagartas? Aqueles bichinhos esquisitos, rastejantes, verdes ou coloridos, com ou sem espinhos, algumas com cheiro forte. Acho que ninguém admite, mas gostariam de eliminar a fase das lagartas. Porque elas precisam comer e o fazem nas plantas onde nasceram, onde sua mãe deixou os ovos que eclodiram. Precisam se alimentar, depois fazem um casulo e adormecem, na transformação maravilhosa que ocorre em segredo no casulo. Certa hora despertam, rompem a proteção e saem esticando as asas. Pronto, viraram a estrela do jardim, todo mundo sorri e acha lindo!
A borboleta é um inseto seletivo. Os adultos alimentam-se de néctar de algumas flores, mas suas larvas comem folhas de determinadas plantas. Poderemos ter no jardim estas plantas, pois elas não irão atacar o resto do jardim. Uma das plantas que as borobletas procuram é a Salvia splendens, como a da foto.

Resgate


   Que planta é esta, cheia de coloridos que lembra um tapete persa? Na casa dos nossos pais ou avós sempre havia alguma, todas diferentes e as pessoas trocavam galhinhos para obter nova combinação. Borboletas enlouquecidas polinizavam suas flores cheias de néctar e as sementes não recolhidas caiam e geravam novas combinações. Neste balé de buscas e trocas, todo mundo tinha esta planta em casa. E de repente, num passe de mágica, findou. É raro achar-se à venda em floriculturas, por vezes se encontra sementes em saquinhos no supermercado, esquecidos e com data de semeadura já vencida, pois ninguém levou.
  Mas porque isto ocorreu? Em regiões mais frias, o coleus (Solenostemon) tem pouca resistência quando cultivado sem proteção de árvores ou arbustos que o protejam de geadas. Se a umidade relativa do ar da região é muito alta, podem aparecer fungos em suas folhas, danificando e matando a planta. Mas não acreditamos que tenha sido por estas razões. Seu cultivo à meia sombra o faz atraente para canteiros ao redor de árvores e lados de prédios onde a luz do sol incide somente pela manhã. Seu uso em vasos com outras plantas, como Petúnia e Fuchsia produzem belo efeito pela folhagem variegada que salientam as flores das outras plantas.
  Talvez tenha sido aos poucos esquecido pela aparição de plantas mais exóticas, de folhagem com efeito paisagístico mais moderno, mesmo que minimalista. No entanto, em época de resgates de tantos valores e coisas esquecidas, o consumidor que cresceu junto a estas plantas tem o poder de mexer com a demanda e fazer retornar nas floriculturas a oferta desta planta tão bonita que lembra um bordado antigo.